.

.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Uma missão de educação




Lembro-me de minhas peraltices, e percebo que não havia maldade nem malícia nelas; eram apenas estripulias de quem estava descobrindo um mundo de possibilidades. (...) Quando descobertos, éramos advertidos com sabedoria, bom senso e respeito, e, principalmente, levados a refletir sobre nossas atitudes e também a viver as conseqüências decorrentes com tolerância e responsabilidade.
Não havia traumas maiores, mas ensinamentos morais por meio da reflexão de nossos atos, (...)
Assim se passou minha juventude, e percebo que nada foi mais útil a esse humilde aprendiz do que os limites impostos pelos adultos de minha época.
Entristeço-me ao ver jovens em tenra idade confrontando com desrespeito e insolência seus pais, mestres (...).
Percebo que o progresso material, como prioridade máxima da humanidade, acabou por mudar de maneira desequilibrada os objetivos educacionais do planeta; o amor, o respeito e a humildade, (...)
Vejo em diversas ocasiões a compra de atitudes ao se corrigir uma criança – negocia-se o bom comportamento (...).
Atos falhos que antes eram esclarecidos e a respeito dos quais se faziam exigências; compromissos comportamentais novos, que determinavam por modificar atitudes, hoje são vistos como traumáticos ou abusivos (...)
A educação, assunto tão sério e importante, perdeu a característica de educar um indivíduo para a vida; e viver é, antes de mais nada, respeitar o mundo em que caminhamos.
A sociedade se perder em inúteis discussões sobre maneiras de educar e não consegue entender nem mesmo o processo ético de se educar pelo exemplo. O que vemos são cegos conduzindo cegos, (...).
O educador perdeu a essência missionária, e o conceito profissional de apenas ser uma maneira de ganhar seu sustento propaga ao redor a frustração, que apenas alimenta a estagnação intelectual e moral; que só serve à permanência de comunidades incapazes de agir e reagir, a fim de modificar a direção da própria vida e, assim, caminhar para a verdadeira evolução.
(...) devemos esclarecer que também encontramos irmãos abnegados e com salutares propósitos de transformação, pessoal e social, onde a mente já possui direcionamento ético, no exercício adorável da moralidade. Serão esses missionários do amor, em busca da verdadeira justiça social, que farão parte das égides de espíritos construtores da Nova Era.


Obra: Comunidade Educacional das Trevas; Eliane Macarini/psicografado por Vinícius(Pedro de Camargo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário